Relato da entrevista – fortes emoções

Nossa entrevista foi no dia 22/11, quinta-feira às 13h30.

Chegamos às 12h30 no hotel e esperamos. Foi nessa hora que o nervoso realmente começou.

Quando era 13h25 eu vejo uma pessoa se aproximando mas o marido não vê. No susto o francês do marido simplesmente tranca e ele mal consegue se apresentar.

Nos dirigimos para o elevador e quando a gente menos espera Monsieur Leblanc começa a entrevista ali mesmo no elevador.

Perguntou nossas profissões, pra qual cidade iríamos e qual será o nosso projeto profissional no Québec.

Saímos do elevador, entramos na sala e ele nos pede passaporte, certidão de casamento e de nascimento.

Enquanto pegamos os documentos ele perguntou as origens dos nossos sobrenomes e a nossa data de nascimento.

Após ele pede os diplomas do secundário e universitário.

Depois os de trabalho. Ele olhou muito bem as nossas carteiras de trabalho. Dia, mês e ano. Além das cartas das empresas.

Dica importante: Levamos cópias de todos os documentos importantes e ele gostou, ficou com todas as cópias que fizemos.

Bom agora o momento tenso da entrevista… fortes emoções… rsrs

Quando ele estava terminando de verificar a experiência do marido o notebook dele simplesmente para de funcionar.

Eu já havia lido relatos de que a impressora não funcionava e tal e que ele pedia ajuda pro pessoal.

Bom, não deu outra, ele simplesmente disse pro marido: dá uma olhada aqui!

Lá fomos nós tentarmos arrumar o notebook, após alguns minutos descobrimos que o adaptador estava com problema e dependendo desconectava e acabava a bateria do note.

Só me passou pela cabeça… que M…. vamos ter que mostrar tudo denovo porque ele perdeu os dados.

Dito e feito… tivemos que mostrar os documentos novamente.

Nisso já havia se passado meia hora.

Depois do susto, ele termina de olhar os documentos, pergunta porque Québec em inglês.

Depois pergunta em francês quem é a primeira ministra do québec, quais os principais setores da economia do Québec, a população da província e de Montréal (cidade que escolhemos).

Ele olhou também as vagas de emprego do marido (requerente principal) e as minhas (acompanhante).

Os nossos currículos ele pegou e ficou pra ele, não corrigiu e nos devolveu como faz para todos. Acredito que a pane no notebook reduziu o tempo e ele não teve como corrigir nossos CVs.

Acho que foi isso. No final o marido ganhou um F no CSQ.

Brincamos um pouco no final, mostramos um livro que temos sobre Montreál, e falamos que olhamos tete-a-claques e ele gostou muito.

Nossa entrevista durou uma hora. As 14h30 estávamos saindo do hotel e um próximo casal aguardava ansioso o momento da entrevista.

A sensação de ver o CSQ sendo impresso é indiscritível, só quem já passou por isso para saber!

A entrevista é realmente aquilo que o pessoal sempre fala, é tranquilo se você estiver preparado.

Acho que era isso. Obrigada pelo apoio de todos.

A esposa